Distritais se mobilizam para tentar evitar greve dos professores

Vários deputados distritais usaram a tribuna da Câmara Legislativa na tarde desta quarta-feira (26) para comentar a decisão tomada hoje em assembleia do Sindicato dos Professores do Distrito Federal (Sinpro-DF) pela greve geral da categoria a partir do dia 4 de maio. Os parlamentares buscam uma solução negociada para evitar a paralisação de aulas nas escolas públicas do DF


Foto: Carlos Gandra.

O deputado Gabriel Magno (PT) reclamou da desatenção do governo com a categoria. "Das 29 categorias de nível superior do GDF, a carreira do magistério ocupa a penúltima posição em termos de salário. É com este descaso que o governo trata uma categoria tão importante, que educa e forma os cidadãos desta cidade. A campanha salarial começou no ano passado. O sindicato tem buscado diálogo com o governo desde então, mas hoje chegou-se ao limite, pois não há nenhuma proposta. Por que a Capital Federal não cumpre o piso nacional do magistério?", questionou. O distrital, que já foi diretor do Sinpro-DF, disse ainda que "a solução agora está nas mãos do governador".

Para o deputado Fábio Félix (PSOL), os professores vêm sendo maltratados pelo governo. "Os professores não aguentam mais a situação de penúria que estão vivendo. É uma das piores carreiras do ponto de vista salarial. Ninguém quer greve, mas é uma medida urgente e necessária porque o governo não abre diálogo. São quase cinco anos de abandono. Esta Casa tem que pressionar o governo para que a categoria seja recebida para um diálogo, nem que tenhamos que paralisar votações", afirmou.

Wellington Luiz (MDB), presidente da Câmara Legislativa, disse que o Poder Legislativo vai se envolver nas negociações para resolver a questão. "Temos que trabalhar para evitar que essa greve aconteça. Vamos buscar uma solução", prometeu. A deputada Paula Belmonte (Cidadania) pediu ao governo que escute os professores. "As escolas em greve representam um prejuízo para a sociedade. Faço um apelo para que o governo olhe as demandas dos professores e que estruture as escolas com psicólogos e assistentes sociais", defendeu.

Pastor Daniel de Castro (PP) também se colocou à disposição para ajudar nas negociações e evitar a paralisação. "Vamos trabalhar para que não haja greve. O governo precisa atender a categoria dos professores", disse.

Edilayne Martins

"Não viva para que a sua presença seja notada, mas para que a sua falta seja sentida." (Bob Marley)

Postagem Anterior Próxima Postagem

Últimas

BRB